Artigos

15/12/2017 07:29

A reforma trabalhista

Como todos sabem e foi tema de algumas colunas, o ano de 2017 também foi marcado pela reforma trabalhista. Como se não bastasse as alterações, devido a crise financeira ocorrida nos anos anteriores houve, país afora, milhões de ações trabalhistas.

Primeiro, porque o número de desempregados bateu dados recorde e se existem muitos desempregados é lógico que a este fato antecedeu um grande número de rescisões trabalhistas, o que consequentemente aumentou o número de ações trabalhistas. Somados a este fato, o efeito da falta de dinheiro, leva as pessoas a buscarem em todos os lugares um suspiro financeiro e, muitas vezes, acham que têm direito quando na realidade não têm ou não conseguem provar que tem.

E no direito, falar e não provar é o mesmo que não falar. Com o número sem fim de ações, temos percebido que estas, que eram reconhecidamente céleres, se tornaram mais lentas e as agendas lotadas dos tribunais empurram as demandas por anos. Mas um efeito novo é que agora, com a alteração da legislação trabalhista temos visto os empregados serem condenados a pagarem quando não ganham as ações.

Empregado paga

Vamos a um caso concreto. “Uma ex-funcionária do banco Itaú Unibanco foi condenada a pagar R$ 67,5 mil à empresa para cobrir as despesas com advogados, após perder uma ação ajuizada em 11 de julho. A decisão do juiz Thiago Rabelo da Costa, da 2ª Vara do Trabalho de Volta Redonda (RJ), só foi publicada no final de novembro, e foi baseada nas novas regras da reforma trabalhista, que entraram em vigor no dia 11 do mesmo mês.

A trabalhadora, que ocupava o cargo de gerente comercial em uma agência de Volta Redonda, no Rio de Janeiro, pedia R$ 40 mil por direitos que não foram respeitados pelo banco. Segundo informações divulgadas pelo Uol, o próprio juiz considerou este valor incoerente e aumentou o pedido para R$ 500 mil.

Apenas uma parte dos pedidos foi concedida a favor da ex-funcionária, como os 15 minutos de intervalo entre a jornada normal e as horas extras. Entretanto, o juiz considerou que os demais pedidos não procediam, como acúmulo de função, abono de caixa, horas-extras, intervalo de digitador, dano moral por assédio e danos materiais.

Além disto, a bancária também não teria direito ao benefício da Justiça gratuita. Por causa do ganho da trabalhadora em relação ao intervalo – fixado em R$ 50 mil – o Itaú Unibanco foi condenado a pagar R$ 7.500 para as despesas advocatícias. Já a ex-funcionária, que perdeu nas outras questões, que somaram R$ 450 mil, terá de pagar R$ 67,5 mil. A este valor, o juiz adicionou R$ 1.000 às custas processuais a serem pagos pela bancária.

Decisões como esta tendem a equilibrar as obrigações e responsabilidades judiciais e farão, em médio prazo, as pessoas pensarem antes de propor uma demanda judicial.

Leonardo Girundi


Veja também sobre A reforma trabalhista

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo