Artigos

18/12/2018 07:14

Voltando no tempo

Cheguei em definitivo a Sinop em junho de 1983, para “colocar no ar” a Rádio Celeste. Não havia uma única rua asfaltada, a energia elétrica era fornecida por geradores, na maioria obsoletos, e com frequência, além da constante quebra, faltava-lhes óleo diesel e peças de reposição que, regularmente, não havia no almoxarifado da Cemat. Era o sofrimento anunciado a que todos tinham de se acostumar.

Embora seja uma das mais bem planejadas cidades do país, Sinop nasceu da falta de planejamento. A principal cidade esperança de sucesso da Colonizadora Sinop era a cidade de Vera. Em 27 julho de 1972, data da inauguração, Enio Pipino e João Carvalho, diretores proprietários da empresa que também era responsável pela colonização dos municípios de Santa Carmem e Cláudia, tiveram seu dia de glória: num pequeno clarão no meio da floresta amazônica eles conseguiram levar importantes autoridades da República, como ministros, senadores, deputados, diretores de estatais, enfim, algo inimaginável para a época.

Foi ali, acredito eu, que se deram conta de que havia algo errado: esqueceram-se os planejadores de que Vera ficava, em linha reta, a 40 quilômetros do traçado da BR-163, ou seja, sem qualquer possibilidade de se transformar em uma futura capital. Aquele que seria o principal cartão de visitas da Colonizadora Sinop nascia fora de lugar e sem qualquer chance de progredir da forma que sonhavam.

Era preciso, urgentemente, encontrar um lugar, à margem da BR-163, para implantar uma cidade que pudesse se transformar no futuro no centro polarizador de todo o desenvolvimento da região.

Nascia então, em 1974, a “Cidade Sinop” (em razão da pressa, esqueceram até de escolher o nome que iria ser dado à nova localidade). Cidade Sinop levava o nome da sigla que dava nome à Colonizadora – Sociedade Imobiliária Noroeste do Paraná – e o tempo cuidou de que o nome forte da empresa desse, também, nome à cidade que hoje orgulha não só Mato Grosso, mas todo o Brasil. Não fosse esse “desplanejamento”, talvez o nome da Colonizadora seria quase totalmente esquecido, constando apenas no rodapés dos livros de história que tratassem da colonização do Norte de Mato grosso e de algumas cidades do Paraná.

Enio Pipino e João Carvalho começaram a empresa de colonização, nos anos 50, na pequena Presidente Wenceslau, no Oeste paulista, no ano de 1958. Fundaram no Paraná as cidades de Ubiratã, Formosa, Terra Rica, Iporã e Jesuítas.

Nos anos 70, adquiram junto à União uma gleba de 645 mil hectares e, a partir daí, mudaram a história de Mato Grosso. Eram os Bandeirantes do Século XX. Como foi, também, o caso de Alta Floresta, colonização de Ariosto da Riva.

Enio e João eram personalidades tão distintas que muitos não compreendiam como conseguiam dar-se tão bem, não só na amizade pessoal, como na vida empresarial. João era o “capitão do mato”, e Enio era o político de grandes amizades, de reis a plebeus que em muito ajudaram o desenvolvimento de Sinop.

Eram tão próximos que nem a morte conseguiu separá-los: João morreu em 15 de junho de 1995 e Enio, por essas coisas que não se explicam, morreu no dia 16 do mesmo ano, logo após o velório e enterro do sócio amigo em Bebedouro, SP. Talvez tenham levado para o pós-morte a amizade inquebrantável que os uniu por tanto tempo.

O principal fator de desenvolvimento de Sinop, além da estratégica posição geográfica à margem da BR-163, foi a implantação da Sinop Agroquímica, uma usina de álcool de mandioca que foi sugerida a Enio Pipino pelo então Padre Antonio, pároco de Vera, fazendo-o entender que o álcool de cana criaria grandes latifúndios, impedindo o desenvolvimento da região; ao contrário, o álcool da mandioca poderia ser produzido na pequena propriedade e serviria como uma reserva de subsistência para os períodos de entressafra. Enio acreditou e construiu em Sinop uma indústria de altíssima tecnologia com equipamentos trazidos da Alemanha que, no Brasil, pouquíssimas usinas tinham em seu parque industrial.

Embora a Sinop Agroquímica tenha sido a responsável por levar tanto progresso a Sinop, infelizmente não gerou o progresso sonhado: transformou-se em um “elefante branco”, encalacrado de dívidas junto a agentes financeiros e, apesar da qualidade do álcool produzido, tanto nas tentativas de batata doce, sorgo e milho, além da mandioca, ao final foi desmontada e vendida aos pedaços como sucata. Lamentável!

Essa são pequenas gotas da história de que participei. Prometo voltar ao assunto.

*Ricarte de Freitas é advogado, analista político e ex-parlamentar estadual e federal


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo