Artigos

28/03/2019 07:28

Uma missão para todos nós

Por Gustavo Guimarães, diretor-presidente da Iguá controladora da Águas Alta Floresta.

 

Quase 50 milhões de brasileiros ainda não estão conectados à rede de abastecimento de água e menos da metade do esgoto produzido nas nossas cidades é tratado, segundo o último diagnóstico do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS). Essa condição sanitária desafiadora pede que atitudes inovadoras orientem os governos, as empresas do setor e os usuários em busca de soluções. Somos todos interessados nessa causa.

 

Algumas mudanças são institucionais. Um marco legal para o setor de saneamento básico, por exemplo, é um passo essencial para melhorar as condições estruturais dos serviços de tratamento de água e esgoto no país. Estamos caminhando para uma conquista nesse sentido, com a tramitação no Congresso Nacional da Medida Provisória (MP) nº 868/2018, que pode dar à Agência Nacional de Águas a competência para editar normas de referência nacionalmente. Mas os avanços reunidos na MP ainda carecem de mais apoio (sponsorship) nos poderes Executivo e Legislativo, mesmo com todos os esforços já demonstrados pelo Ministério do Desenvolvimento Regional.

 

O Plano Nacional de Saneamento Básico previu que a universalização dos serviços de água e esgoto necessitaria de R$ 508 bilhões entre 2014 e 2033 – ou R$ 26,73 bilhões por ano. É uma conta bem alta se considerarmos que os últimos dados do SNIS indicam investimentos de R$ 10,35 bilhões em 2017. Apesar das dificuldades, é essencial estabelecer legalmente padrões de qualidade para todos os agentes que atuam na gestão da água. E mais: é questão de saúde pública estimular a busca de eficiência nas empresas, nos governos e nas agências reguladoras.

 

Claro que a lei é um elemento importante, mas não suficiente. As companhias do setor devem pensar o saneamento “fora da caixa”. O uso de tecnologia e o apoio de startups, muito mais comum em outros segmentos, são uma revolução tanto na gestão de pessoas quanto na prestação de serviços no setor. Uma iniciativa diferenciada, já em andamento, é a adoção de sensores na identificação de perdas no sistema de distribuição de água, um dos graves problemas atuais. Hoje, a cada 100 litros de água captada e tratada no Brasil, 38 litros se perdem na rede de distribuição. Em regiões como Nordeste e Norte, o índice de perdas chega a mais de 46% e 55%, respectivamente. E, em Roraima, ele supera os 75%. Literalmente, água que escorre pelo ralo.

Outra medida inovadora é a utilização de drones no mapeamento e na demarcação de estruturas dos sistemas de água e esgoto – fonte de informações que auxiliam as empresas no cumprimento dos planos municipais de saneamento básico e até nos investimentos. Além disso, esses equipamentos são diferenciais na manutenção da rede, permitindo avaliações de rompimentos e furtos de água a distância.

Sem dúvidas, o marco legal do saneamento pode aumentar a transparência no setor e permitir que os cidadãos tenham mais instrumentos para acompanhar o desenvolvimento da infraestrutura. Outra parte cabe às empresas responsáveis pela captação, pelo tratamento e pela distribuição da água, além do tratamento e da destinação do esgoto. O consumo consciente por parte dos clientes também é mandatário – não podemos esquecer. Por fim, perceber as necessidades das pessoas e atender a população com o respeito merecido não é mais a orientação para o futuro, são necessidades atuais, precisamos reformular o setor agora. E podemos. Ainda há muito trabalho pela frente até a universalização, claro, e precisamos fazer diferente para fazer melhor.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo