Brasil

06/03/2017 08:19

Projeto sobre venda de terras brasileiras a estrangeiros gera debates

O governo havia anunciado a pretensão de levar, nesta semana, o projeto de lei que altera as regras de venda de propriedades rurais a investidores estrangeiros à apreciação do plenário da Câmara dos Deputados. Entretanto, como a proposta vinha sendo conduzida diretamente pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha — de licença médica e envolvido em depoimentos da Odebrecht na Operação Lava-Jato — há possibilidades de que o plano seja adiado. O tema polêmico, que preocupa ambientalistas e militares, voltou à tona desde que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, apresentou a mudança como uma das soluções para estancar a crise econômica e gerar empregos.
 
Escolhido para ser o relator do substitutivo ao PL nº 2289/2007, que vai diretamente ao plenário já que há a aprovação de urgência para a matéria, o deputado Newton Cardoso Júnior (PMDB-MG) afirma que a proposta está nos ajustes finais e, assim que ficar pronta, será levada aos líderes partidários. Cardoso explica que, entre as restrições, estão terras em áreas de fronteiras e em biomas com altos índices de preservação. “A preocupação com a soberania nacional é legítima. Mas, em princípio, algumas questões me parecem além do risco imaginado pela Defesa. Um dos pontos levantados é que essas áreas se tornem ilhas de imigração. Isso está muito longe da realidade”, afirma.
 
Outra alegação contrária é que a liberação pode tirar a competitividade de pequenos agricultores. Para o relator, a preocupação é infundada, já que, na opinião dele, eles já não são competitivos. “Estão precisando renegociar dívidas, estão acontecendo problemas de competitividade. Acho o contrário. Vamos valorizar os ativos nacionais e permitir que eles cresçam com apoio de grupos maiores. Se instalar aqui um grupo que vai produzir mais, mais barato e com melhor qualidade, é ruim?”, questiona Newton Cardoso Júnior. Na estimativa do deputado, ao longo de cinco anos, o país pode arrecadar em tributos com a nova lei algo em torno de R$ 30 bilhões a R$ 50 bilhões.
 
Favorável ao projeto, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, defende a adoção de restrições no caso das culturas de soja e milho, por exemplo. A preocupação é que fundos estrangeiros adquiriram parcela substancial da área destinada a essas culturas e, em determinado ano, em função de preços mais baixos no mercado internacional, decidam não plantar. “Isso seria um caos. Não é proibir. Pode-se exigir uma produção anual ou que o produtor não pare de um ano para o outro. Parece-me que quem é o dono da terra é o que menos importa. A terra é brasileira, está aqui, não vai embora, ninguém vai levar. O uso da terra é o que importa nesse negócio.”
 
Já o coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), acredita que a proposta, além de colocar em risco a soberania nacional, também envolve uma questão de soberania alimentar. Para ele, em médio prazo, isso pode colocar em risco a produção de alimentos para a sociedade brasileira. “O país pouco a pouco pode ficar na mão de estrangeiros. A quem interessa essa liberação? É fundamental proteger o futuro e a alimentação da nossa população”, ressalta. Newton Cardoso admite que essa é uma preocupação futura, mas ressalta que o Brasil “já produz mais do que a demanda local”. “Não temos escassez de qualquer produto agrícola. Se, em algum momento, houver uma mudança da realidade, o governo dispõe de regras para controlar isso, por exemplo, aumentando a taxação sobre a exportação de produtos agrícolas”, comenta.


Desmatamento

 
O coordenador da Frente Ambientalista também demonstra receio com o incentivo ao desmatamento e a devastação dos biomas brasileiros que a mudança na lei pode causar. De acordo com Molon, a aquisição de terras será usada para expandir a fronteira agrícola e isso será uma ameaça às áreas de preservação e proteção dos povos originários. “Com certeza, vai aumentar a pressão para que o Código Florestal seja ainda mais deformado. É um risco que não podemos correr.”
 
O coordenador de políticas públicas do Greenpeace Brasil, Márcio Astrini, concorda que a proposta traz riscos para a preservação do meio ambiente e proteção dos povos indígenas. “O Brasil tem problema fundiário muito grande, principalmente no Norte. O desconhecimento e o descontrole de quem são as terras causam disputas violentas entre índios e grileiros. Já não se consegue tomar conta dessas áreas, imagina com uma pressão extra? Esse tipo de prática vai aumentar o desmatamento e as mortes em conflitos na Amazônia e no Cerrado”, prevê.
 
Em uma palestra no fim do mês passado, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, rechaçou a hipótese de o projeto atingir comunidades tradicionais. “Eventuais prejuízos, por exemplo, a quilombolas e comunidades indígenas, não existem porque essas são objeto de legislação específica. O fato de você ter comprando um investidor que não é cidadão brasileiro ou um grande investidor brasileiro, uma grande empresa de agronegócio brasileira ou estrangeira não é o que vai fazer diferença exatamente para o interesse das comunidades”, disse. Procurados, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, não foi encontrado e o do Meio Ambiente, Sarney Filho, preferiu não se manifestar.

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo