Brasil

01/02/2018 19:22 Veja.com

>É inadmissível desacatar ou agredir a Justiça>, diz Cármen Lúcia

Supremo Tribunal Federal (STF) retomou suas atividades na manhã desta quinta-feira, em cerimônia realizada no plenário da Corte em Brasília na presença de seus onze ministros e de autoridades. No discurso que marcou a abertura do ano judiciário para o STF, a presidente, ministra Cármen Lúcia, defendeu a atuação da Justiça e criticou tentativas de “justiça individual” fora dos “meios legais”.

“Pode-se ser favorável ou desfavorável à decisão judicial pela qual se aplica o direito. Pode-se buscar reformá-la, pelos meios legais ou nos juízos competentes. O que é inadmissível é desacatar a Justiça, agravá-la ou agredi-la. Justiça individual, fora do direito, não é Justiça, senão vingança ou ato de força pessoal”. Apesar dessa argumentação, a ministra prosseguiu de forma genérica, sem adentrar em nenhum caso específico que tenha visto essa “vingança”.

Cármen Lúcia disse esperar que o novo ano do Supremo seja “tempo de superação em nossa dificultosa história de adiantes e retornos, para que fases mais tristes sejam apenas memórias de dias de tormenta passada”. Ela ainda desejou aos colegas que “não tenhamos que ser lembrados pelo que fizemos ou – pior – pelo que desfizemos do conquistado social e constitucionalmente”.

Estavam presentes na solenidade o presidente Michel Temer (PMDB), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), além do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia.

Prisão de Lula, foro, delações…

No horizonte do Supremo, uma série de casos polêmicos orbitam a pauta e podem vir a ser tratados nas próximas semanas. Frustrando a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o processo que pretende rever a autorização para a prisão a partir de segunda instância não deve ser um desses.

O relator da ação, ministro Marco Aurélio Mello, já a liberou para votação, mas a presidente Cármen Lúcia, a quem compete pautar o plenário, já avisou que não pretende acelerar sua tramitação por causa do caso específico do petista, o que “apequenaria” o STF. Marco Aurélio disse a VEJA que também não fará cobranças à ministra para que a Corte decida a questão.

Na discussão, o processo que pretende restringir o foro privilegiado de autoridades para crimes cometidos durante o mandato, a possibilidade da Polícia Federal firmar acordos de delação premiada e o indulto de Natal decretado por Temer em dezembro e suspenso, em parte, pela Corte. O Supremo também dará a palavra final no caso da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), indicada para ser ministra do Trabalho, mas com a posse suspensa pela Justiça.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo