Brasil

05/02/2018 07:05 EXAME

Congresso volta do recesso com foco total na Previdência

Acontece nesta segunda-feira a cerimônia de abertura do ano legislativo de 2018. Além da expectativa por definições de assuntos urgentes, a rapidez será fundamental para o Congresso logo no primeiro semestre. O ano eleitoral faz com que o êxodo de Brasília perto do pleito seja quase total, com os parlamentares em busca de manter mandatos eletivos a partir do meio do ano. 

Neste início, a prioridade total é da reforma da Previdência, que o Palácio do Planalto articula para colocar em votação na semana do dia 19 de fevereiro. O clima, contudo, nunca esteve tão morno. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo na semana passada, o presidente Michel Temer indicou que não forçará mais a barra na tentativa de aprovar a PEC das aposentadorias. “Eu já fiz a minha parte nas reformas e na Previdência”, disse.

“Agora é preciso convencer o povo, porque o Congresso sempre ecoa a vontade popular”. Uma pesquisa Ibope encomendada pelo governo indica que não deve partir do povo uma pressão para aprovação desta reforma. Os números indicam que 78% desaprovam o governo e 51% estão pessimistas em relação ao futuro do Brasil.

Mesmo deputados governistas e ministros da articulação política assumem a falta de votos – Carlos Marun, da Secretaria de Governo, diz que faltam cerca de 50 votos para chegar aos 308 necessários para a aprovação. A possibilidade de votação travar se chegasse a 2018 era a previsão de 10 a cada 10 analistas políticos.

Ontem, em entrevista à GloboNews o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, reconheceu mudanças no texto para tentar aprovar a proposta. O relator da reforma, Arthur Maia (PPS-BA) pretende apresentar hoje uma emenda com as mudanças sugeridas pelo governo. Mesmo que o Planalto desista formalmente de aprovar a nova Previdência, há muitos assuntos a serem desenrolados já no início do ano. Até o dia 22 de fevereiro será preciso votar Medida Provisória com ajustes à reforma trabalhista.

Para a frente, será necessário apreciar o projeto de lei de privatização da Eletrobras, que, espera o governo, deve gerar receita de 12 bilhões de reais aos cofres públicos, e o Refis da Pequena e Média Empresa. Ano cheio, e curto, no Congresso.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo