Cidade

04/02/2018 18:02

Ministério Público questiona lei que altera regras para transporte de madeiras

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Procuradoria Geral de Justiça, ingressou com ação direta de inconstitucionalidade contra a Lei complementar nº 601/2017, que dispõe sobre a emissão do certificado de identificação de madeira pelo Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea). O MP sustenta que a referida norma reduziu o patamar de proteção ambiental consolidado na legislação anterior.

A nova lei, conforme o MPE, permite que o produto florestal não serrado bruto, a exemplo da madeira serrada, possa ser transportado sem identificação da espécie de madeira. Também foi alterada a forma de apreensão do produto florestal transportado ilegalmente e reduzido o contexto da atividade de identificação, que passou a ser realizada somente em regime de fiscalização volante.

A Lei complementar 601/2017 estabelece que, ao ser constatada divergência entre o produto florestal identificado no certificado de identificação da madeira e o descrito na guia florestal, deve ser elaborado laudo oficial de constatação prévia por servidor do Indea/MT, que o remeterá ao órgão ambiental estadual, onde deverá ser averiguada a divergência. Somente após a comprovação da irregularidade entre o produto florestal efetivamente transportado e o descrito nos documentos, tanto pelo Indea/MT quanto pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente, é que poderá ser feita a apreensão.

“Esta Lei promoveu significativa redução na proteção ambiental conferida pelo ordenamento legislativo anterior, ao arrepio da Constituição Estadual e dos princípios que balizam o Direito Ambiental”, diz a Adin.

Segundo o MP, a alteração da forma de emissão do instrumento de controle representado pelo Certificado de Identificação de Madeira implica a perda da eficiência fiscalizatória e, consequentemente, expõe bens ambientais à ação lesiva de agentes predatórios. “Da forma como está posta, esta lei acaba por permitir que seja promovida extração de madeira indiscriminadamente, sem identificação das espécies florestais suscetíveis de corte e comércio previamente autorizados pelo órgão ambiental, provocando graves e imensuráveis danos ambientais. A norma ora atacada também violou o princípio da proibição de retrocesso ambiental”, argumentou.

O MPE sustenta, ainda, que no processo legislativo que culminou na aprovação da Lei complementar questionada não houve a apresentação de dados objetivos ou de estudos técnicos que justificassem a desnecessidade do certificado de identificação da madeira para produtos florestais que não fossem a madeira serrada bruta, configurando desrespeito ao princípio da precaução.

Pontuou ainda que a sequência de leis sobre o tema, sempre visando a flexibilização das normas gera a aparência que: "O Estado de Mato Grosso tenta, insistentemente e a todo custo, enfraquecer o sistema de controle ambiental realizado por meio da identificação das espécies florestais, exigindo a pronta atuação do Poder Judiciário para suspender os efeitos da Lei complementar estadual nº 601/2017 e evitar a prática de atos atentatórios ao meio ambiente”, defendeu o MPE. 


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo