Cidade

13/02/2020 06:25 Simone Alves/Assessoria

Legalidade do Fethab volta a ser questionada; desta vez no STF

A Sociedade Rural Brasileira ajuizou ação no Supremo Tribunal Federal no último dia 7, para questionar a legalidade do Fundo de Habitação e Transporte (Fethab) criado pelo Estado de Mato Grosso. O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), recebeu a relatoria da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI). 

O fundo passou a existir no ano 2000. Desde então, é questionado no âmbito da justiça estadual, principalmente pelo seu uso indiscriminado e sua vinculação com o orçamento do Estado. Com a junção de novos argumentos e comprovantes do desvio de função do fundo, o setor do agronegócio apresentou a ADI para levar a análise sobre o Fethab ao STF.

Os produtores rurais vêem o fundo como um pesado imposto e também reclamam que ele teve um aumento de mais de 270% entre 2010 e 2019. Para se ter uma ideia, em 2010 a arrecadação do Estado com o fundo foi da ordem de R$ 500 milhões. Esse volume saltou para cerca de R$ 2 bilhões no ano passado. 

Os advogados Marcelo Guaritá e Manuel Eduardo Borges, do Peluso, Stüpp e Guaritá Advogados, um dos escritórios representantes da SRB, explicam que o Fethab foi criado inicialmente para financiar a infraestrutura do Estado, mas perdeu a vinculação.

A ADI assinada pela Sociedade Rural Brasileira destaca que o que era, inicialmente, moderado e supostamente justificável, com o transcurso do tempo e com a omissão do Poder Judiciário local, passou a ser gigantesco e desordenado.

Uso indiscriminado

"O questionamento se dá porque o fundo não tem controle orçamentário e o dinheiro, acaba sendo distribuído inclusive entre associações privadas", destaca Guaritá. "O fundo foi ampliado de modo que 60% de suas receitas podem ser destinadas para as mais diversificadas áreas, até mesmo àquelas que não geral efeito algum à atividade rural", completa.

Produtor sem opção

A contribuição para o fundo surgiu como oficialmente facultativa, porém não é o que ocorre na prática, segundo o assessor jurídico. "É uma pseudo-facultatividade, porque para os produtores rurais que não contribuem para o Fethab, não há diferimento na cobrança do ICMS sobre produtos de início de cadeia (que não acumulam crédito), como carne, soja, algodão, madeira e outros. 

Assim, quem não opta pela contribuição ao fundo, tem de pagar o ICMS cheio e antecipado. Por outro lado, o fundo teve um aumento absurdo nos últimos anos – o que vem tirando a competitividade dos produtores mato-grossenses", adverte Guaritá. 

O advogado explica que outros estados têm começado a usar do mesmo estratagema. "Por isso, é preciso que o STF se manifeste para evitar que isso se torne uma prática comum no Brasil, que poderá ferir de morte o agronegócio", afirma.


Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo