Regional

08/06/2018 07:45 Karine Miranda, repórter do GD

Bebê enterrada viva está em UTI com infecção e insuficiência respiratória

A recém-nascida indígena que foi enterrada viva e resgatada após cerca de 7 horas pela Polícia Militar, apresenta quadro grave de infecção generalizada e insuficiência respiratória. A bebê segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal da Santa Casa da Misericórdia de Cuiabá. A menina foi transferida do Hospital Regional de Água Boa (730 km a Leste de Cuiabá) para a Santa Casa de Cuiabá na tarde de quarta-feira (6), em razão do diagnóstico de hipotermia grave e distúrbio de coagulação.

Em Cuiabá, a criança foi encaminhada diretamente para a UTI e passou por alguns exames que identificaram a infecção e insuficiência respiratória. Apesar disso, o quadro clínico da recém-nascido é considerado estável, de acordo com informações da assessoria da Santa Casa.

Ainda segundo o hospital, a bebê vai passar por uma bateria de exames e monitorias ainda nesta quinta-feira (7) e um novo boletim médico deverá ser emitido no final da tarde, que pode indicar melhora ou novos problemas de saúde em razão das condições do parto e primeiras horas de vida da menina.

A bebê nasceu na terça-feira (5) em uma comunidade indígena localizada no bairro Nova Canarana, em Canarana (823 km a leste de Cuiabá). Conforme informações da mãe da bebê, uma adolescente de 15 anos, ela sentiu as contrações e deu à luz a menina no banheiro. Ao nascer, a menina teria batido a cabeça no vaso sanitário e teve um sangramento.

Já segundo a bisavó da bebê, Kutsamin Kamayura, 57, da etnia Kamayurá, foi ela quem cortou o cordão umbilical e, em razão da queda e de a menina não ter chorado, acreditou que a criança estivesse morta. Com isso, ela enterrou a criança, com o consentimento da mãe, no quintal da casa e não acionou os órgãos oficiais. 

O caso só veio à tona após a mãe ter apresentado hemorragia e procurado atendimento médico. A Polícia Militar foi acionada e conseguiu encontrar o bebê 7 horas após o enterro.

Em depoimento à policia, a bisavó confirmou a ocorrência e disse que enterrou o bebê segundo costume de sua etnia, já que a bebê "não teria pai".

Após a divulgação do caso, o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado (MPE) informaram que vão acompanhar o caso a fim de esclarecer os motivos que levaram a bisavó a enterrar a criança.

Isto porque uma das versões sobre o fato aponta que o enterro foi feito em razão da cultura de que os filhos “sem pai” não devem sobreviver, o que seria o caso da bebê indígena. Porém, outra versão aponta que o enterro foi feito somente após a bisavó achar que a criança estivesse morta, o que poderia ser qualificado como crime.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo