Destaques

08/11/2016 06:42

Etanol deixa de ser competitivo para os consumidores de MT

O preço de bomba do litro do etanol em Mato Grosso deixou ser competitivo para os consumidores em relação à gasolina. Para quem leva em conta apenas a viabilidade econômica, a vantagem que havia sobre o derivado da cana se perdeu, já que o preço médio em adoção no Estado fechou a primeira semana de novembro valendo mais que 70% do valor do derivado de petróleo. A relação é favorável ao biocombustível quando está abaixo de 70% e considerando os valores atuais, o teto ultrapassou a 70,5%. Até o final de outubro, Mato Grosso era o único do país onde valia à pena o etanol hidratado.


Segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) referentes à semana de 30 de outubro a 5 de novembro, o preço médio do etanol no Estado foi de R$ 2,61 e o da gasolina, R$ 3,70. Nas últimas quatro semanas, o valor médio de bomba para o biocombustível nos postos do Estado foi de R$ 2,46 para R$ 2,61, alta acumulada de 6,09%. Já a gasolina, passou de R$ 3,71 para R$ 3,70.


Ainda conforme os dados da ANP, o etanol vinha durante o primeiro semestre o combustível foi o mais demandado nas revendas mato-grossenses, no entanto, na medida em que os preços começam a elevar, reduzindo a margem de competitividade ante à gasolina, há migração na hora de abastecer. Até setembro foram comercializados 444,76 milhões de litros de etanol contra 454,53 milhões de litros de gasolina. Na relação anual, o biocombustível apresenta queda na demanda de 11%.


Nessa primeira semana de novembro, enquanto o preço médio ao etanol apurado pela ANP foi de R$ 2,61, o mínimo foi de R$ 2,29 em Cuiabá e o máximo de R$ 2,95, em Alta Floresta (800 quilômetros ao norte da Capital).
RETA FINAL – De acordo com informações do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso (Sindálcool), a colheita e a moagem da cana-de-açúcar irão até o final deste mês. Assim que a safra estiver concluída, o milho passa a ser a matéria-prima de três usinas no Estado que seguirão com a produção do etanol.


O diretor executivo da entidade, Jorge dos Santos, explica que nas últimas semanas houve uma recomposição de preços na usina, como forma de minimizar a alta de custos trazida pelo início antecipado do regime de chuvas no Estado. “Com as precipitações não é possível colher e as indústrias ficam operando de forma descontinuada, ou seja, dia sim, dia não”. Mesmo com os impactos climáticos, Santos explica que o litro do etanol com impostos incluídos, encerrou o mês de outubro saindo das usinas a uma média de R$ 2,05 e de lá para cá não houve mais ajustes.


Sobre a competitividade do biocombustível, Santos explica que o teto de vantagem entre etanol e gasolina foi estabelecido em 70% quando os primeiros modelos de carros flex vieram ao mercado, por volta de 2003. “Mais de uma década se passou e os carros mais novos têm competitividade de até 85%. Por isso, o consumidor deve fazer a sua média para descobrir qual é a sua realidade e o combustível mais rentável”. Ainda conforme ele, com um teto de 85%, o etanol segue vantajoso e, além disso, reduz em 80% a emissão de poluentes na atmosfera.

Ainda como pontua o executivo do Sindálcool, vale à pena prestar atenção aos preços de bomba afixados pelos postos, pois ainda é possível encontrar o litro a valores que assegurem a competitividade mesmo diante do teto máximo de 70%.


MAIS BARATO - Mesmo com a alta, o etanol comercializado em Mato Grosso encerrou mais uma semana como o mais barato do Brasil, conforme a ANP. Em São Paulo, onde o etanol equivale a 76,07% do valor da gasolina, o produto ficou cotado, em média, a R$ 2,67 por litro.


Os preços do etanol hidratado nos postos subiram em 19 Estados e no Distrito Federal na semana encerrada no sábado, 5, caíram em outros seis Estados e não variaram no Amapá. No período de um mês, o biocombustível só registrou queda no preço em quatro Estados: Alagoas, Ceará, Paraíba e Rondônia.


Em São Paulo, principal Estado produtor e consumidor, a cotação avançou 1,94% na semana, de R$ 2,62 o litro para R$ 2,67. No período de um mês acumula alta de 11,93% - São Paulo foi o Estado onde o combustível subiu mais em 30 dias. Na semana, os preços subiram mais em Mato Grosso (4,18%), enquanto o maior recuo ocorreu em Alagoas (1,94%). A maior queda mensal ocorreu no Ceará (2,42%).

MARIANNA PERES


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo