Destaques

17/12/2016 09:39

Tornozeleiras desafogam sistema carcerário porém não impendem reincidência em MT

O monitoramento por tornozeleira eletrônica tem se mostrado eficiente em alguns pontos como a pena humanizada, que não exclui o detento de 100% do convívio social; desafoga o superlotado sistema penitenciário de Mato Grosso e representa economia aos cofres públicos. Porém nem tudo são flores. Há aqueles que se aproveitam do benefício da liberdade e, literalmente, se sentem livres para infringir regras e reincidir na criminalidade, o que gera sensação de insegurança e impunidade na sociedade.

Roubos, furtos, tráfico de drogas. São diversas as formas de se beneficiar do direito à liberdade “monitorada”. Em Mato Grosso, o número de aparelhos é sempre igual ao de recuperandos beneficiados pela Vara de Execuções Penais do Poder Judiciário, hoje num total de 2.442.

O juiz Vara de Execução Penal, Geraldo Fidélis, relata que 20% dos que usam o equipamento voltam a cometer crimes. Esse percentual equivale a 488 pessoas, que deveriam estar presas, mas que vêm fomentando os números da criminalidade no Estado. O magistrado defende que o Governo adquira mais tornozeleiras para servir, realmente, todo o Estado, aumente a fiscalização desse monitoramento e o número de pessoas monitorando.

“O que fica é a sensação de insegurança, porque nós queremos que o detento cumpra a pena pelos atos que ele cometeu. A sociedade fica preocupada, assim como eu, porque a pessoa que deveria cumprir pena está em casa. Isso é errado”, explica o juiz Vara de Execução Penal, Geraldo Fidelis, fazendo um comparativo com o sistema semiaberto de outras regiões do País.

Em outros estados, detentos do regime semiaberto recebem, em datas excepcionais, o direito de ficar com familiares e, após as datas (dia das mães, pais, natal etc...) eles retornam às colônias penais. Geraldo Fidelis aponta que o benefício da saída temporária aqui é o uso da tornozeleira, uma vez que em Mato Grosso não existem colônias penais. “Eles já estão com o benefício da saída temporária o ano todo por falta de competência dos governos que não construíram as colônias penais”, aponta o juiz. 

“É complicado falar de investimentos se o regime fechado já está entupido.”

O magistrado conta que, em tese, os presos das colônias penais seriam levados às 6h para uma fábrica ou oficina autorizada pelo governo e seriam trazidos novamente às 20h para a colônia. “Seria efetivamente um regime semiaberto , sem não deixar o pessoal à solta fazendo o que quer. As colônias penais não foram pensadas por nenhum dos governos, inclusive este”, ressalta Fidélis.

Ele aponta que no atual cenário de crise é difícil falar em construção de colônias penais e investimentos no regime semiaberto, uma vez que o sistema carcerário encontra-se defasado e superlotado. “É complicado falar de investimentos no regime semiaberto nesse momento, se o fechado está entupido. O sistema penitenciário está muito defasado e dos males a superlotação é a pior”.

Lado positivo

Fidélis destaca que, apesar de parte dos criminosos voltarem ao crime, o sistema de tornozeleiras eletrônicas tem seu lado positivo. “O percentual é de 20% que cometem novos crimes. Mas é importante ressaltar que a cada 10, tem oito trabalhando. A cada 100 apenas vinte preferiram o crime novamente”.

Se os criminosos que fazem uso do equipamento forem pegos cometendo novos crimes, perderão o direito do regime semiaberto e terão sua pena recalculada – o que faltava para cumprir, mais o tempo da nova pena, regredindo para o sistema fechado.

“Ele vai perder o direito de permanecer na rua e irá regressar ao regime fechado. O importante é os 80% que estão retornando à sociedade e dá para acreditar na recuperação. Precisamos comprar mais tornozeleiras para servir todo o Estado realmente”, finaliza o juiz Geraldo Fidélis.

Fé na impunidade

“A sensação de impunidade leva os criminosos a cometerem novos delitos”

O especialista em segurança pública, Naldson Ramos, destaca que crimes impunes seriam motivadores à prática de novos delitos. “A sensação de impunidade leva os criminosos a cometerem novos delitos. A pessoa sabe que a existe a possibilidade de ela não ser pega ou reconhecida na primeira, segunda, terceira vez e isso a incentiva a continuar agindo. A solução seria uma maior fiscalização para redução desses reincidentes”.

O especialista ressalta a má gestão do sistema de monitoramento como causador dos dados negativos, mas, sobretudo, a baixa moral da sociedade brasileira que estabeleceu o pensamento de que burlar as regras é a melhor opção. Ele aponta que os casos de reeducandos que se aproveitam da liberdade para cometer novos crimes é tão comum quanto os de políticos ou empresários que aproveitam da sua posição para a corrupção.

“No Brasil não há nada que você faça para resolver um problema que não acabe criando outro. É da cultura brasileira burlar a lei. Os políticos fazem isso, empresários fazem, não importa a área, a população faz”, compara Naldson.

Ele aponta que a má fiscalização contribui para o dado negativo de condenados voltarem à criminalidade, mesmo cumprindo pena. “A questão é ter um melhor controle da mobilidade dessas pessoas. A má gestão do sistema acaba gerando certa liberdade pela falta do acompanhamento de onde a pessoa está caminhando, trafegando ou, até mesmo, se retirou o equipamento. Muitas vezes isso não é fiscalizado pelo poder público”, aponta Naldson.

Apesar dos déficits no sistema de monitoramento por tornozeleiras eletrônicas, Naldson afirma estar do lado dos 80% que são recuperados. “A solução seria uma maior fiscalização para redução desses reincidentes, pois o sistema humaniza a pena, permitindo que o detento possa trabalhar e conviver com sua família”, salienta.

Sobre o sistema de tornozeleiras

Mato Grosso implantou o sistema de acompanhamento em setembro de 2014 com pouco mais de 300 tornozeleiras ativadas. Hoje já são 2442. O aparelho pode ser utilizado pelos sentenciados no regime de progressão de pena e também nos casos de presos provisórios, que aguardam a sentença do Poder Judiciário.

O equipamento funciona com o sinal de celular e utiliza dois chips. O sistema de GPS emite a localização do usuário à central, que poderá informar às autoridades caso sejam descumpridas determinações judiciais.

Entre elas estão: não frequentar bares e casas noturnas ou aproximar-se de vítimas em medidas protetivas - que poderão, por meio de outro equipamento, acionar diretamente a polícia com o botão de alerta. As informações sobre o percurso do recuperando ficam armazenadas por até 30 dias.

Segundo a Sejudh, quem usa o aparelho fica sob vigilância 24 horas por dia num sistema compartilhado por meio do qual os profissionais que atuam nos departamentos de Inteligência da Segurança Pública (Sesp, Polícia Judiciária Civil e Polícia Militar) têm acesso compartilhado ao sistema.

Se o preso descumpre horários estabelecidos pelo Judiciário, como o de ficar em casa e no trabalho, deixa de carregar ou viola o equipamento, um sinal é emitido para a central e ele se torna imediatamente foragido da Justiça, perdendo o benefício da liberdade.

A Sejudh informou que a Central de Monitoramento ainda não disponibilizou o balanço dos números de rompimentos, que é quando a tornozeleira é danificada. De acordo com a secretaria, o balanço destes casos só será finalizado em janeiro de 2017.

Casos ilustram reincidência

01: Na noite do dia 07 de setembro deste ano, um policial militar e toda sua família ficaram na mira de uma arma que era apontada por um detento que utilizava tornozeleira eletrônica. O fato aconteceu no Bairro Pedra 90, na capital do Estado. Allef Gabriel Junior de Magalhães, de 22 anos, foi preso juntamente com outros dois criminosos. Ele, que usava tornozeleira, manteve a família do policial em cárcere privado em uma região de mata, enquanto os demais fugiram com o carro da família. Neste episódio, Aleff foi preso juntamente com um comparsa. Eles estavam com três armas de fogo.

02: Em janeiro deste ano um detento que também cumpria pena em regime monitorado, roubou mais de R$ 1 milhão em joias de um apartamento no Bairro Santa Helena, em Cuiabá. O suspeito se apresentou como cliente da vítima que é vendedora. Após conseguir entrar no apartamento, o homem sacou a arma e anunciou o roubo. Todos os moradores foram rendidos e mantidos sob a mira de um revólver. A vítima relatou que o bandido ordenou que deitassem no chão e mandou a comerciante colocar os mostruários dentro de uma mala. Em seguida, o assaltante mandou que ela ligasse na portaria e autorizasse sua saída. Um comparsa buscou o criminoso e ambos fugiram sem deixar pistas.

Fonte: CircuitoMT


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo