Destaques

13/03/2017 04:45

Situação da BR-163 continua dramática; Lava Jato também atrapalhou obra

As obras de pavimentação da BR-163 estão paradas há mais de três anos por causa de problemas financeiros de empresas contratadas para execução dos serviços e por impacto da Lava Jato sobre empreiteiras pelo país.  A paralisação do tráfego, entre os municípios de Trairão e Novo Progresso, no Pará, gerou prejuízos na casa dos milhões. E apesar da ajuda do Exército, a situação de um trecho da rodovia continua dramática.

O Movimento de Transportadores de Cargas (MTC) afirma que houve perda de R$ 10 milhões a cada dia paralisação, já a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) aponta perda de 400 mil dólares ao dia – 11 navios ficaram atracados nos portos de Miritituba e Santarém no mesmo período. O cronograma de serviços do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) marca a conclusão de pavimentação da rodovia para 2013, no entanto, ainda restam 189 quilômetros de estradas em situação totalmente precária, dentre eles o trecho de 90 quilômetros que trava o tráfego pela via há um mês.

“Algumas empresas contratadas pelo governo [federal] para execução das obras são pequenas e tiveram problema a partir de 2013 e pararam as obras. Agora está um empurra-empurra entre as empresas e o Dnit, o que deixa a situação indefinida.

Além disso, houve reflexo da operação Lava Jato [que envolveu a Odebrecht, uma das maiores empreiteiras no país, nas investigações], e isso acabou afetando os serviços também a partir de 2015. Não são todas as empresas, mas há algumas”, disse o coordenador de logística da Associação dos Produtores de Milho e Soja de Mato Grosso (Aprosoja), Antônio Galvan.

De acordo com o Dnit, cinco empresas são responsáveis hoje pelos serviços de pavimentação dos 189 quilômetros da BR-163. Três delas compõem o consórcio CAL, formado pelas empresas Cavalca Construções, Agrimat Engenharia Indústria e Comércio (gerenciadora do grupo) e a Lotufo Engenharia, todas com sede em Cuiabá. As outras duas empreiteiras são a Cimcop Engenharia e Construções (BH) e a Três Irmãos Engenharia, também de Cuiabá. O nome da Cavalca Construções apareceu em depoimento não homologado de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras e um dos principais investigados pela Polícia Federal na Lava Jato.

Conforme reportagem publicada em janeiro deste ano pelo jornal O Globo, a empresa teria participado de esquema de compra de trechos de pavimentação da Petrobras em fraude de desvio de dinheiro público. O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) teria sido um dos beneficiados.

Conforme O Globo, o esquema teria funcionado entre 2012 e 2014, período em que R$ 219 milhões teriam sido movimentados irregularmente com participação da Petrobras. O montante deveria ser transferido para os cofres de Mato Grosso, mas foi depositado em contas correntes de empresas indicadas pela administração pública com a justificativa de remuneração sobre aquisição de crédito do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

A Agrimat Engenharia é outra empresa implicada em suspeita de corrupção. Em maio do ano passado, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) abriu investigação sobre o pagamento de R$ 108 milhões em pavimentação de rodovias em Mato Grosso que teria sido liberado sem qualquer controle pelo então governador Silval Barbosa. 

O nome dela aparece em lista de 44 obras investigadas pelo TCE, com atribuição de duas obras. O pagamento liberado pelo governo estadual era de repasse da Petrobras de dívida com ICMS, cujo dinheiro fora depositado nas contas de empresas indicadas pelo governo. O mesmo esquema em que a Cavalca é apontada.

Em junho de 2015, a Três Irmãos, comandada por Carlos Avalone e Marcelo Avalone, fez pedido de recuperação judicial por dificuldades financeiras.  Onze meses antes, a Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho condenara a empresa a pagar R$ 500 mil por irregularidades em canteiros de obras na BR-364, em Mato Grosso, com exposição de contratados a riscos de acidente.

A reportagem falou com representantes da Lotufo Engenharia, Cavalca Construções e Agrimat para saber sobre o andamento das obras, mas não houve retorno até o fechamento desta edição. Houve tentativas de contato com as outras empresas, mas sem êxito.

Dnit tem R$ 824 milhões em caixa, mas não explica obras sem fim

O Dnit informou ter em caixa R$ 824 milhões para pavimentação de trechos da BR-163. Da divisa de Mato Grosso com o Pará até o município de Santarém quatro trechos sem pavimentação: de Vila Isol até Novo Progresso; Santa Júlia a Moraes Almeida; Campo Verde a Rurópolis; e de Vila Planalto até Miritituba. O último, que passa por Miritituba, é considerado o mais crítico. Por ele passam 95% da carga que sai de Mato Grosso em direção ao Pará.
 

Conforme o diretor-geral do departamento, Valter Casimiro, o governo federal já garantiu recursos para a pavimentação de 100 quilômetros desses trechos até 2018. E a meta para este ano é asfaltar 60 quilômetros; outros 40 quilômetros ficam para o ano que vem. Asfaltados esses 100 quilômetros, só restarão 90 para o asfaltamento total no Pará, que já tem 756,6 km de estrada pavimentada.
 
O diretor elencou algumas intervenções, nos últimos meses, que colaboraram com as paralisações na rodovia: chuvas intensas, principalmente entre janeiro e março; a concentração de cargas em decorrência do atraso do início da colheita; e a ausência de postos de fiscalização da PRF (Polícia Rodoviária Federal) no local.

A reportagem questionou o Dnit sobre a paralisação das obras e o acompanhamento da situação das empresas contratadas para retomar os serviços, mas não houve resposta.

Em junho do ano passado, o Dnit já havia definido um calendário de obras para a conclusão da pavimentação da BR-163. Estava prevista, por exemplo, a manutenção de trechos pavimentados, mas em situação precária, além da pavimentação até Miritituba (104 quilômetros) que foi dividida entre duas empresas. Uma delas deveria asfaltar cerca de 20 quilômetros até o fim de 2016. A outra empresa estava paralisada, sem previsão para retomada.

Congressistas dizem que falta fiscalização de serviços

Políticos de Mato Grosso com representação no Congresso afirmam que a falta de fiscalização em obras da BR-163 é uma das principais falhas do governo, o que acarretou travamento do tráfego na rodovia, entre os municípios de Trairão e Novo Progresso, no Pará, por quase vinte dias. 

Para o deputado federal Nilson Leitão (PSDB), é irrisório o valor necessário para a pavimentação de 90 quilômetros na BR, considerando seus pontos mais críticos, mas que o Dnit não conseguiu despachar.

Segundo ele, cada quilômetro demanda investimento de R$ 2 milhões, se levados em conta todos os fatores de desgaste de pista devido às chuvas e ao forte tráfego de caminhões.“Não há justificativa para essa demora na conclusão das obras na BR-163. Hoje, o governo gastaria cerca de R$ 2 milhões por quilômetro para pavimentação. Então, a gente teria gasto de R$ 200 milhões para concluir os serviços. Isso é um valor irrisório se considerado o tamanho do orçamento. Mas se chega a uma situação em que toda a produção de Mato Grosso ficou parada na estrada por falta de condições de pista”.

O senador José Medeiros (PSD) comparou a pavimentação da rodovia às obras do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) em Cuiabá e Várzea Grande. Ele afirma que a burocracia e a corrupção travam a economia de Mato Grosso e do país. “Mato Grosso é responsável por 26% da balança comercial do país, o maior produtor agropecuário, é um peso grande na economia. Isso significa que se a economia de Mato Grosso parar a economia do país será afetada diretamente. Assim como em outras áreas de serviços, as rodovias têm problema de corrupção. Podemos comparar com o VLT [em Mato Grosso] que está parado até hoje por corrupção”.

"Situação da BR-163 reflete incompetência do Dnit", critica Taques

O caos na BR-163 é atribuído à ‘incompetência’ do Dnit pelo governador Pedro Taques (PSDB). "O que está ocorrendo na BR-163, com todo respeito, é fruto da incompetência do Dnit. O Dnit tem que fazer a parte dele. Veja quantos quilômetros nós fizemos em dois anos e veja quantos o Dnit fez nessa área. Ali só faltam uns 100 quilômetros. E o Estado está tomando prejuízo em razão da União, através do Dnit, que não faz o seu papel", afirmou Taques durante coletiva de imprensa nessa segunda-feira (6).
 
O "atoleiro" nos 110 quilômetros da rodovia federal sem asfalto que ficaram intrafegáveis por causa das chuvas na região tem causado prejuízo aos produtores rurais e aos dois estados.
 
Sinto vergonha do meu país, afirma Maggi sobre a BR-163

A situação caótica da BR-163 no Pará, segunda principal rota de escoamento da produção de grãos de Mato Grosso para as exportações, deveria ter acabado em 2013, quando se previa a conclusão da pavimentação da mesma. 

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), lamentou esta semana a situação da rodovia e afirmou que a burocracia impediu a celeridade nos trabalhos. "Me sinto envergonhado pelo meu país ter uma situação dessas", declarou.
  
Segundo Maggi, a obra, que deveria ter ficado pronta em 2013, não ficou porque os preços na época da licitação da rodovia foram baixos e que fazer uma obra na região amazônica não é a mesma coisa que fazer uma obra no Sul do Brasil. "Ela é uma obra mais cara. As empresas que foram para lá não tiveram capacidade de fazer rapidamente e aí você começa a ter pedidos de aditivos, mudanças de projeto, e várias empresas acabaram desistindo".
 
Conforme o ministro, sempre que há uma desistência em um processo licitatório existe uma morosidade para substituir a empresa, o que não se consegue fazer em um ou dois anos. "Como várias empresas saíram, até você trazer outra, o sistema de proteção no Brasil não permite que se faça rapidamente. Há uma série de burocracias que impede isso".

Maggi relembrou ainda que entre 1999 e 2000, quando ainda não era governador de Mato Grosso, fez o caminho com um grupo de empresários com 78 caminhões carregados de soja, quando ainda não havia nada de asfalto, apenas a promessa.
 
"Havia promessa de estar pronto em 2013 e as empresas privadas começaram a operar. De fato, estourou um volume de cargas enviadas para lá nos últimos anos".
 
Conforme o ministro da Agricultura, em decorrência aos atoleiros verificados nas últimas três semanas no Pará, 11 navios tiveram de ser desviados para outros portos. “Hoje, o prejuízo maior é para as empresas embarcadoras por não conseguirem embarcar, mas pode vir a refletir para o produtor também, pois preços podem cair”.

Fonte: CircuitoMT


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo