Destaques

28/04/2017 15:12

Principal etapa da vacinação começa na próxima segunda-feira (01.05)

Assessoria Acrimat
 

Pecuaristas mato-grossenses realizam a partir de segunda-feira (1°), a imunização de todo rebanho bovino e bubalino, de mamando a caducando, em todo o Estado. Pela primeira vez a etapa principal da vacinação é realizada no primeiro semestre. A transferência de novembro para maio atende a uma demanda antiga do setor produtivo.

Há mais de 20 anos o estado não tem registro de febre aftosa em seu território, mérito dos pecuaristas, entidades representantes e governo estadual que se empenham para garantir a sanidade do rebanho. Agora, Mato Grosso caminha para a obtenção do status sanitário de livre de aftosa sem vacinação, mas para isso é preciso realizar mais nove etapas da campanha de imunização para completar todos os requisitos estabelecidos pelas autoridades para eliminar qualquer possibilidade de circulação no vírus no território.

O presidente da Acrimat, Marco Túlio Duarte Soares, destaca o comprometimento de todos os produtores ao longo dos últimos anos para garantir a sanidade do rebanho e abrir portas no mercado internacional. “O pecuarista tomou para si a responsabilidade de vacinar e manter o estado livre da doença. São anos sem nenhum registro de febre aftosa, o que garante a comercialização mundial da carne produzida aqui”.

O médico veterinário e diretor-técnico da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Francisco De Sales Manzi, afirma que a vacinação de todo o rebanho é indispensável para manutenção do status sanitário do Estado de livre de aftosa com vacinação.

“Recentemente foi anunciada a retirada da vacina em 2021, mas para que isso aconteça é imprescindível a vacinação em todas as etapas para consolidar a erradicação da doença. Daqui até 2021, todas as orientações das autoridades devem ser seguidas a risca, como o pecuarista sempre fez, para só então extinguir a vacinação”, analisa Manzi.

Sobre a inversão do calendário, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) adotaram a medida a fim de atender um pedido antigo dos pecuaristas. A expectativa é que a perda de peso dos animais seja menor, ou pelo menos a recuperação mais rápida em maio. Isso porque, neste período pós-chuvas, os animais estão mais gordos e o pasto mais farto, reduzindo o impacto e facilitando a engorda depois da aplicação.

“Em novembro os animais estão vindo da entressafra, com score corporal menor e por isso o impacto do manejo e reação da vacina prejudicam mais, já que a perda de peso chega a 10%. Além disso, com a alteração a vacinação, a estação de monta realizada a partir de novembro não é prejudicada”, explica Cristiano Alvarenga, produtor rural de Vila Bela da Santíssima Trindade e proprietário de loja de produtos agropecuários.

O Indea realiza, junto com a campanha de vacinação em maio, a atualização do rebanho no Estado. Essa alteração no estoque de animais, se necessária, poderá ser feita até o final desta campanha, sem penalizações ao produtor, amparada pelo artigo 10486 da nova lei de defesa sanitária.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo