Destaques

03/02/2018 04:22 André Alves

Entidades de Mato Grosso se articulam para apoiar safra coletiva de castanha

Depois de uma queda de 70% na produção da última safra de castanha-do-Brasil em toda a região Amazônica, entidades de Mato Grosso se organizaram para apoiar associações e cooperativas nas etapas de coleta, armazenamento, seleção e beneficiamento das amêndoas. Uma dessas iniciativas é o projeto Poço de Carbono Juruena, que está sendo retomado pela Associação de Desenvolvimento Rural de Juruena – Aderjur, com patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental e do Governo Federal.

O projeto irá apoiar tanto a produção de castanha do extrativismo na floresta, em vários municípios do Noroeste de MT, quanto o plantio de novas mudas de espécies nativas em áreas de assentamento e de pequenas propriedades do município de Juruena. 

Outra proposta, que já está acontecendo é o Fundo Rotativo Solidário Sentinelas da Floresta, desenvolvido pela Aderjur, com apoio da Climate and Land Use Alliance - Clua. Por meio desta iniciativa são efetuados empréstimos subsidiados para a Coopavam – Cooperativa dos Agricultores do Vale do Amanhecer e para a Amca – Associação de Mulheres Cantinho da Amazônia, que atualmente pagam um bônus, maior que o preço de mercado da castanha, para os seus parceiros extrativistas da rede Sentinelas da Floresta, com pagamento à vista e sem a participação de intermediários, diretamente aos extrativistas.

Essas medidas para o fortalecimento do extrativismo na região estão acontecendo devido a queda drástica de produção na última safra 2016/2017. Para se ter uma ideia, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) divulgou, no ano passado, que a queda da produção de castanha na safra anterior foi drástica e atingiu toda a Amazônia.

Esta queda na produção impactou toda a cadeia de produção. Sem produto na praça, o preço explodiu nos mercados, as indústrias de beneficiamento ficaram sem matéria-prima para produzir e na ponta, os extrativistas, ficaram sem uma importante fonte de renda.

Para piorar, segundo reportagem divulgada naquele mesmo período pelo Financial Times, a queda da produção atingiu também outros países produtores, como a Bolívia e o Peru. A reportagem aponta que a falta de chuvas na América do Sul, devido ao evento climático El Niño, prejudicou o desenvolvimento dos frutos.

Já para pesquisadores da Embrapa, o desmatamento na Amazônia tem impacto direto nas causas, tendo em vista que a castanheira produz mais em florestas conservadas, que possuem abundância de polinizadores e condições microclimáticas ideais. Isso sem falar que mais desmatamento pode significar menos chuvas e aumento da ocorrência de queimadas, o que causa impacto a qualquer tipo de atividade extrativista vegetal e agropecuária.

De acordo com o coordenador do projeto Poço de Carbono Juruena, Paulo Nunes, existem alternativas. Uma delas são os créditos rotativos para impulsionar a atividade. Esse é um tipo de experiência que já acontece em vários países e tem se espalhado no Brasil tanto em áreas urbanas quanto na zona rural.

Diante das dificuldades encontradas pela Coopavam e Amca na safra passada, com a falta de castanha na floresta, foi iniciado, pela Aderjur, o giro do capital do Fundo Rotativo Solidário Sentinelas da Floresta, repassando um valor de R$ 400 mil para a Coopavam e Amca adquirirem castanha diretamente dos extrativistas.

Este valor está sendo usado para a aquisição e beneficiamento da castanha e depois será devolvido ao Fundo, corrigido, para o refinanciamento das atividades. Também foi realizada uma articulação com organizações de extrativistas do Pará e de Rondônia para ampliar a rede de parcerias no fornecimento de castanha para Juruena, incluindo estas regiões, que também são grandes produtoras da amêndoa. Desta maneira a região de atuação desta iniciativa foi significativamente ampliada, desde o noroeste de MT para os estados vizinhos, com um grupo maior de extrativistas sendo beneficiados e com apoio na valorização e conservação de uma área muito maior de floresta amazônica.

A outra proposta do Projeto Poço de Carbono Juruena é incentivar a diversificação de cultivos na recuperação de áreas por meio de sistemas agroflorestais. Dessa forma, os agricultores têm diversas opções de culturas e uma renda garantida e melhor distribuída ao longo do ano. Além do benefício econômico, os sistemas agroflorestais “imitam” o comportamento da floresta, armazenando carbono e ajudando a mitigar os efeitos das mudanças climáticas.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo