Destaques

10/08/2018 16:02 Arthur Santos da Silva, repórter do GD

MPE quer 3 deputados no banco dos réus por desvios de R$ 9 milhões

O desembargador Rondon Bassil Dower Filho, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJM), encaminhou relatório no dia 26 de julho em que o Ministério Público (MPE) apresenta manifestação para que 3 deputados estaduais se tornem réus por desvio de R$ 9,4 milhões na Assembleia Legislativa. O caso, conhecido como Operação Ventríloquo, será julga pelo Pleno do Tribunal provavelmente no dia 24 de agosto. Desembargadores decidirão se recebem o processo. São alvos da ação os deputados Romoaldo Junior (MDB), Mauro Luiz Savi (DEM) e Gilmar Donizete Fabris (PSD).

Segundo narrado, a Assembleia Legislativa contratou um seguro junto ao antigo Bamerindus Companhia de Seguros na década de 90 (hoje HSBC, que o incorporou), porém, não quitou os valores devidos, o que levou a Seguradora a ingressar com ação de execução no ano de 1997.

Foi promovido então um acordo irregular, desviando cerca de 9,5 milhões dos cofres públicos. O advogado Joaquim Fábio Mielli Camargo, que representava a instituição financeira, delatou o esquema. De acordo com o Ministério Público, no período compreendido entre os anos de 2013 e 2014 (época do acordo), os parlamentares, em parceria com o ex-deputado José Geraldo Riva e mais acusados, constituíram organização com objetivo de saquear a “Casa de Leis”. 

Consta na ação que a organização criminosa subtraiu dos cofres da Assembléia Legislativa cerca de R$ 9,4 milhões valendo-se da facilidade que proporcionava a condição de servidores públicos e agentes políticos de alguns de seus membros. Segundo o MPE, os acusados ocultaram e dissimularam a natureza e a origem dos valores provenientes de infração (lavagem de capitais), contando com o auxílio dos empresários e assessores parlamentares.

Foi requerida a condenação dos denunciados ao pagamento de indenização pelos prejuízos materiais sofridos, além da condenação pelos danos morais coletivos sofridos pelo Estado de Mato Grosso, valor estabelecido em R$ 10 milhões.

Nomes sem foro privilegiado estão sendo julgado pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá. Um dos réus na justiça "comum" é Riva, que confessou os crimes.

As defesas

Rebatendo o posicionamento do MPE, Gilmar Fabris afirmou que a denúncia não descreve, nem genérica nem minuciosamente, a participação de cada um na execução do suposto crime.  Romoaldo Junior disse que não consta no processo “narração objetiva, individualizada e precisa dos fatos delituosos”.

Já Mauro Savi respondeu que o Ministério Público não demonstrou “em que momento se formou a organização criminosa da qual ele faria parte, quando seus membros teriam se reunido, como se deu a divisão de tarefas entre seus integrantes, que crimes eles pretendiam cometer e nem mesmo quem seria seu líder”.

Todos os nomes pedem a absolvição sumária. 


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo