Destaques

07/12/2018 16:32 revistaoe.com.br

Bolsonaro quer concessão de mais seis blocos de aeroportos até 2022

O governo eleito não pretende na área de aeroportos ficar apenas no leilão à iniciativa privada dos três blocos de terminais aeroportuários programados para 15 de março: Nordeste (Recife, Maceió, João Pessoa, Aracaju, Juazeiro do Norte e Campina Grande), Sudeste (Vitória e Macaé) e Mato Grosso (Cuiabá, Sinop, Alta Floresta e Rondonópolis).

Há planos também de formação de novos blocos de aeroportos – hoje administrados pela Infraero – para ir a leilão. Três deles sairiam em 2020 e seriam integrados da seguinte forma: bloco Sul, com Curitiba, Foz do Iguaçu, Londrina (PR), Joinville, Navegantes (SC), Uruguaiana, Pelotas e Bagé (RS); bloco Norte, com Manaus, Tabatinga, Tefé (AM), Rio Branco, Cruzeiro do Sul (AC), Porto Velho (RO) e Boa Vista (RR); e um bloco formado pela região central, formado por Goiânia (GO), Palmas (TO), São Luís (MA), Teresina (PI), Petrolina (PE) e Imperatriz (MA).

Uma segunda rodada, em 2021 ou em 2022, envolveria mais três blocos:

Congonhas (SP), Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã (MS); Santos Dumont (RJ), Pampulha, Uberlândia, Uberaba e Montes Claros (MG); e Belém, Altamira, Marabá, Carajás, Santarém (PA) e Macapá (AP).

Os aeroportos restantes nas mãos da Infraero, que seriam de pequeno porte, como São José dos Campos (SP), a ideia é transferir para estados e municípios dispostos a repassá-lo à iniciativa privada.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo