Destaques

12/09/2019 16:02 DIEGO FREDERICI - FOLHAMAX

JULGAMENTO ADIADOS: TJ votam por condenar deputado de MT a 2 anos e 9 meses de prisão

Sete desembargadores do Tribunal de Justiça de Mato Grosso votam, nesta quinta-feira (12), pela condenação do deputado estadual Romoaldo Junior (MDB) a 2 anos e 9 meses de prisão, por crime de responsabilidade, desvio e apropriação de bens públicos em proveito de terceiros. A votação, porém, não foi concluída em virtudes dos desembargadores João Ferreira Filho e Rui Ramos Ribeiro.

Om votos ainda atingem Ney Garcia de Almeida Teles e Paulo Cesar Moretti, apontados como coautores dos crimes. 

Romoaldo Junior foi denunciado por falsificar documentos para  dar legalidade a doação de um terreno público a um empresário. A suposta fraude ocorreu em 2001, quando ele ocupava a função de prefeito de Alta Floresta.

O julgamento começou na manhã desta quinta-feira. Contudo, em virtude de uma questão levantada pela defesa do deputado, a sessão do pleno do Tribunal de Justiça foi suspensa e retomada no período da tarde.

A relatora do processo, desembargadora Maria Erotides Kneip, votou pela condenação do parlamentar. O voto ainda proíbe o parlamentar de disputar novas eleições e ocupar cargos públicos.

Ela foi seguida pelos magistrados Dirceu dos Santos, Maria Aparecida Ribeiro, José Zuquim Nogueira, Helena Maria Bezerra Ramos, Márcio Vidal e Clarice Claudino da Silva.

HISTÓRICO

Em parecer, o procurador Domingos Sávio afirmou que as provas contra o parlamentar são robustas. “Não há dúvida nenhuma de que houve apropriação de bens públicos”, colocou.

Coordenador do Naco (Núcleo de Ações de Competências Originárias), o procurador destacou que Romoaldo é um dos deputados mais processados pelo MPE por conta de escândalos de corrupção. “Este cidadão é aquele que detém maior número de investigações e ações penais nesta corte. Este é apenas mais um episódio criminoso em que ele é protagonista”, pontuou.

DEFESA

Em sustentação oral, a defesa do deputado citou que a denúncia partiu da sucessora de Romoaldo no cargo, a ex-prefeita Maria Izaura (PDT). A denúncia foi formulada somente 8 anos após os fatos terem ocorridos. 

O advogado Válber Melo citou que a doação do terreno em questão fazia parte de um programa implantado pelo município. Ao todo, segundo o advogado, mais de 200 lotes foram doados, incluindo o que está localizado o atual Fórum da cidade. “Isso foi público, não foi feito às escondidas. Houve audiências públicas, implantou-se uma comissão de notáveis”, citou.

O advogado colocou ainda que a prefeitura não recebeu nenhum pagamento em virtude de um crédito que o beneficiário tinha com o município. “Não houve pagamento porque foi feito encontro de contas. O empresário tinha um crédito de 60 mil com a prefeitura e houve um encontro de contas”.

Melo afirmou ainda que um caso semelhante já foi julgado anteriormente e Romoaldo acabou absolvido pelo Tribunal de Justiça por unanimidade. “Esta matéria já foi enfrentada. A única diferença é que neste caso tem a imputação de falsidade ideológica”.

VOTO DA RELATORA

Em seu voto, Maria Erotides pontuou que o processo que culminou com a doação do terreno público ocorreu de forma obscura. Ela citou que, na prefeitura de Alta Floresta, foram localizados todas as desapropriações de terrenos públicos, exceto a investigada.

“Assim, a publicidade dos extratos, das atas de licitações, como ocorrera nos outros certames públicos, permitiria a parte comprovar o preenchimento dos requisitos dos atos que ampararia o contrato de compra e venda. Não comprovou porque não ocorreu a licitação, não sendo possível provar o que não aconteceu efetivamente”, explicou Erotides.

Ela também rebateu a tese da defesa de que o imóvel foi “doado” para o pagamento de uma dívida da prefeitura de Alta Floresta com o empresário, responsável pela reforma das sedes do fórum e do Ministério Público do município. “Assim eminentes pares não há a menor possibilidade de acolhimento da tese de que a entrega do imóvel em questão constitui um encontro de contas com o empresário Paulo César em decorrência de dívida contraída pelo município em face da construção da sedes do Fórum e do Ministério Público [que] datam de 2001, conquanto as reformas foram realizadas entre os anos de 2003 e 2005”.

O CASO

Romoaldo Júnior, enquanto prefeito de Alta Floresta (800 KM de Cuiabá), no ano de 2001, teria doado ilegalmente um terreno na cidade para o empresário Paulo Cesar Moretti. Segundo a denúncia do MP-MT, Romoaldo, em conjunto com o então Secretário de Finanças do Município, Ney Garcia de Almeida, teria falsificado documentos para forjar uma compra e venda do imóvel, por meio de uma licitação que nunca teria existido.

“O Ministério Público afirma que os denunciados Romoaldo Aloísio Boraczinski Junior, à época dos fatos Prefeito de Alta Floresta/MT em conjunto como o denunciado Ney Garcia de Almeida então Secretário de Finanças do Município, fizeram doação ilegal do lote de terreno nº 28 da Quadra 02-A, Setor AC, de 975 m², para o denunciado Paulo Cesar Moretti; para tanto falsificaram documentos para forjar uma compra e venda do imóvel, por meio de licitação em 2001”, diz trecho da denúncia. 


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo