Entretenimento

13/09/2019 13:31 www.espacovital.com.br

Produtora de filmes condenada a indenizar Xuxa

Decisão da 18ª Câmara Cível do TJ do Rio, proferida na última quarta-feira (11) condenou a produtora Salvatore Filmes a pagar indenização moral de R$ 50 mil à artista Xuxa Meneghel.

A ação foi de obrigação de fazer cumulada com indenizatória por danos morais e materiais, com pedido de antecipação dos efeitos da tutela (deferida, com a retirada do vídeo) que teve como causa de pedir violação à vida privada, honra e imagem da apresentadora de tevê, consistente em ofensas divulgadas em vídeo exibido na plataforma de compartilhamento Youtube.

A parte autora alegou que a empresa ré é responsável pelo ´Canal Amada Foca´, tendo ali publicado “com inegável intuito comercial, o vídeo TROLL MY LIFE - XUXA - AMADA FOCA, em que afirmou que a artista teria firmado um pacto com demônio até o ano de 2099, mantido um relacionamento amoroso homossexual e que sua filha seria fruto de uma inseminação artificial”.

A petição inicial sustentou que “as afirmações, além de ofensivas, foram divulgadas com finalidade de chocar o público, sem qualquer preocupação com a veracidade, com claro intuito de auferir lucro”.

Em sua defesa, a Salvatore Filmes suscitou preliminar de ausência de interesse de agir e inépcia da petição inicial, bem como alegou que é lícita e legítima a manifestação de expressão e opinião na forma da Constituição Federal, e que “o vídeo, de caráter humorístico, não tinha qualquer cunho ofensivo, destacando fatos pitorescos e notórios da carreira da autora, não ensejando danos morais passíveis de ressarcimento”.

A sentença julgou parcialmente procedente o pedido na forma do artigo 269, I, do CPC para: 1) tornar definitiva a tutela antecipada, anteriormente, deferida; 2) condenar a ré a título de danos morais no valor de R$ 50.000 corrigidos monetariamente a contar da sentença e acrescido de juros legais de 1% (um por cento) ao mês, contados a partir da citação.

A sentença condenou a ré ao pagamento das custas processuais e dos honorários advocatícios de 10% sobre o valor da condenação.

O acórdão da 18ª Câmara confirmou que “a divulgação tinha como único objetivo atacar a honra e imagem da ofendida” e que “esse tipo de manifestação não merece proteção legal, cabendo sua exclusão da plataforma virtual”.

O julgado reconhece a ofensa “à vida privada, honra e imagem da ofendida e, em consequência, à sua dignidade fundamental – assim configurado o dano moral da autora e o dever de reparação da empresa ré”. (Proc. nº 0017132-64.2016.8.19.0209).

Leia a íntegra do acórdão.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo