Regional

08/11/2018 15:21 Romilson Dourado /RDNews

Governador eleito vai anunciar redução de 50% das secretarias e facão em mais de 3 mil cargos

A menos de um mês da posse, o governador eleito Mauro Mendes anuncia oficialmente entre esta quinta e sexta a pretensão de cortar cerca de 50% da estrutura da máquina, incluindo redução e/ou fusão de secretarias, órgãos e autarquias que hoje empregam cerca de 100 mil servidores. Vai cortar mais de 3 mil cargos comissionados e estuda suspender contratos e licitações, por alguns meses, assim que sentar na cadeira no Palácio Paiaguás.

Hoje são 24 pastas. Depois de receber os primeiros dados, que demonstram o gigantismo da máquina pública, Mauro concluiu que, de fato, precisa mesmo agir de forma radical. A ideia é tocar a administração com, no máximo, 12 secretarias. Este Blog apurou que, entre as que serão extintas estão as extraordinárias, como de Assuntos Estratégicos, de Governo, de Transparência e Combate à Corrupção, de Articulação e Desenvolvimento Regional e de Comunicação Social.

Por enquanto, Mauro Mendes prefere restringir ao máximo a informação sobre o novo organograma que está elaborando junto com membros da equipe de transição. Com visão de quem vem da iniciativa privada e já passou pela experiência pública de quatro anos como preferito de Cuiabá, ele está determinado a atingir o que chama de equilíbrio de receitas e despesas já no primeiro semestre à frente do Palácio Paiaguás. E com perspectiva de sobrar recursos para custeio e investimentos.

A redução do número de pastas refletirá automaticamente num quadro menor de servidores comissionados. Existem hoje 6,8 mil vagas para DAS, aqueles nomeados sem concurso público. O governador eleito deseja administrar o Estado com no máximo 3,5 mil comissionados.

O vice-governador eleito Otaviano Pivetta disse ao Blog nesta quarta à noite, sem entrar em detalhes sobre as pretensões de Mauro, defender que o Estado corte pela metade o número de secretarias, assim como de servidores. "Isso seria interessante porque o governo começa já dando exemplo, no tom da mudança que foi autorizado nas urnas pela sociedade".

Empresário e ex-prefeito de Lucas do Rio Verde por três mandatos, Pivetta se mostra preocupado com o fato do setor público hoje gastar 80% das receitas correntes líquidas com folha de pessoal. Para se ter ideia, só o Executivo consome 57% do que arrecada com pagamento de servidores, estourando, inclusive, o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal, que é de 49%. "Mato Grosso está fora da lei fiscal. Precisamos nos enquadrar".


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados a Gund e Caldas LTDA ME - Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo