Regional

13/09/2019 07:51 Vitória Lopes - Gazeta Digital

Sob situação de emergência, municípios de MT sofrem com queimadas

O alto índice de queimadas ilegais e focos de calor tem se alastrado pelo estado de Mato Grosso. Segundo relatório do Centro Integrado de Multiagências de Coordenação Operacional (Ciman), de janeiro a setembro deste ano, Mato Grosso é líder no ranking de focos de calor.

Os dados do relatório apontam que, no território estadual de 903198.1 km², 19.711 focos de calor foram registrados. Em comparação com 2017, a variação percentual dos focos aumentou em cerca de 61%. No ranking de foco de calor, Mato Grosso é líder absoluto, mas considerando a área territorial fica em quarto lugar.

Em relação ao período proibitivo, de 15 de julho a 8 de setembro, o estado fica em segundo lugar em focos de calor por unidade de área. Durante esses quase dois meses, 12.261 focos de calor foram registrados. A variação percentual comparada ao mesmo período em 2017 cresceu em 75%.

Ainda de acordo com o boletim do Ciman, não há previsão de chuvas significativas para o estado de Mato Grosso nas próximas semanas. Além disso, o boletim aponta para temperaturas muito elevadas no nordeste do estado, além de risco crítico de fogo, sem previsão também de mudança.

A reportagem do  fez um panorama sobre a situação das queimadas ilegais e ondas de calor em alguns municípios:

 

Região Norte


Os municípios Claúdia, União do Sul e Marcelândia, que fazem parte da Amazônia Legal, receberam a “Operação Abafa”, que contou com equipes do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Politec e agentes da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

De 2 a 11 de setembro, a operação fiscalizou o perímetro rural – principais áreas de queimadas – correspondente a 20.111,0806 hectares. Conforme o relatório da operação, 87% do território (17.649.468 hectares) foi atingido por queimadas ilegais. Outros 13% (2.461,6126 hectares) foram queimados e desmatados.

O tenente do Corpo de Bombeiros Daniel Alves explica que dos 28 locais fiscalizados, 26 serão multados. A multa é estimada em R$ 21.898.018,80.

“Nós escolhemos esses municípios por causa do bioma Amazônia, são locais com altos índices de desmatamentos e queimadas florestais. Essa operação é para responsabilização e fiscalização”, disse.

 

Situação difícil

Com apenas 5.490 habitantes, Cocalinho é um dos municípios de Mato Grosso que também sofre com as queimadas. Localizado a 923 km da Capital, o secretário administrativo Marcio Roberto de Godoi Madureira informa que não existe nem mesmo uma brigada do Corpo de Bombeiros na cidade, e que a mais próxima fica em Nova Xavantina, distante a 251 km de Cocalinho.

Na terça-feira (10), uma força-tarefa da Polícia Militar tentou combater um foco de incêndio próximo a estrada. Grande parte das queimadas é no perímetro rural, em área de pasto.

“Tinha uma força tarefa aqui na região do assentamento Três Marias, próximo ao município. Inclusive, inúmeras pessoas daqui foram para lá tentar apagar o incêndio, pra minimizar esse incêndio no pasto”, disse o secretário.

 

O secretário ainda informa a dificuldade de acesso ao munícipio, por conta da condição da estrada e a distância. “Nem asfalto ou estradas tem aqui. Agora que estão conseguindo colocar em andamento aquela obra que antigamente era pra estrada, se não me engano, começou a mexer novamente. Nossas estradas quem dão suporte aqui é o município mesmo, com recurso do Fethab (Fundo Estadual de Transporte e Habitação).

 

Cáceres com maior foco de calor

 

Conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE), durante 8 e 9 de setembro, o município de Cáceres é o que apresenta maiores focos de calor no estado.

 

Dos 2145 focos registrados, 187 deles estão ligados à Cáceres, o que representa 8,7% deste total. Nesta manhã de quarta-feira, a temperatura máxima chega a 39º.

 

O prefeito Francis Maris Cruz (PSDB) informou que existe uma brigada de bombeiros em Cáceres, mas que ele é insuficiente para combater o fogo. A prefeitura tem dado suporte ao combate das chamas com um caminhão-pipa.

 

“Queimada tem, por mais que você combata. O que precisa são de aeronaves para ajudar a combater o fogo, para jogar água nas queimadas, porque com o abafador você não consegue apagar. Nosso Corpo de Bombeiros aqui é pequeno, tem poucos bombeiros. Tem um caminhão grande, que nem sempre funciona”, relata.

 

Apesar dos esforços, o prefeito ainda cobra para que a população evite causar queimadas. “Temos combatido com os caminhões pipas da prefeitura, mas infelizmente todo dia surge um novo foco, porque alguém colocou fogo. É falta de consciência da população”.

 

Além de focos no perímetro urbano, Francis explica que queimadas na Bolívia acabam atingindo a fronteira com o município. A prefeitura também tem auxiliado no combate destas chamas, mas nem sempre os caminhões dão conta de atravessar a região de mata. Após o decreto de Mauro Mendes, o prefeito espera pela ajuda externa.

 

Parque Nacional da Chapada dos Guimarães

ICMBIO

queimada pncg

De acordo com o ICMBio, o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães segue fechado para visitação por conta das queimadas. Atualmente, toda a brigada do Parque está trabalhando nos focos de incêndios, inclusive o mais recente, que foi iniciado na região conhecida como Portão do Inferno e se dividiu em duas frentes.


Devido à nova frente de fogo, ainda não foram concluídos os cálculos de área atingida, mas estima-se que neste novo evento o fogo consumiu cerca de 5 mil hectares. De acordo com o INPE, Chapada dos Guimarães é a unidade de conservação que mais ardeu em chamas.

Biomas mais afetados

Ainda de acordo com os dados do INPE, o bioma mais afetado pelo foco de calor é a Amazônia, com 52,1% dos 2145 focos. Em seguida, o Cerrado é o mais atingido, em 38,2%. O Pantanal representa 9,7% deste total.

Dos 360 mil quilômetros quadrados de sua área original em Mato Grosso, quase metade – 45% – do Cerrado já foi desmatada. No último ano,de agosto de 2017 a julho de 2018, foram quase mil quilômetros quadrados, de acordo com o PRODES, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Isto corresponde a 15% de todo o Cerrado perdido no Brasil em um ano.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo