Agronegócios

20/06/2021 06:35 O Presente Rural

Carne bovina: Brasil exporta menos, fatura mais e tem queda na oferta de boi no mercado interno

As exportações brasileiras de carne bovina tiveram um aumento de 2,2% no faturamento entre janeiro e maio deste ano, somando US$ 3,2 bilhões em comparação com o mesmo período do ano passado. Em volume, foram exportadas 710,09 mil toneladas, quase 3% abaixo do mesmo período do ano passado (731,42 mil toneladas), segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

O analista da Agrifatto Consultoria, Yago Travagini, acredita que os embarques foram impactados pelos preços elevados da carne bovina. “Temos um valor de tonelada bem maior do que no mesmo período do ano passado. A queda do dólar reduz essa competitividade e, por isso, temos que aumentar o preço”, explicou.

Atualmente, a cotação da arroba brasileira no mercado externo está ao redor de US$ 58,00/@ e o produto americano está por volta de US$ 63,00/@. Além disso, a habilitação da China de novas plantas nos Estados Unidos está afetando essa dinâmica diretamente. Tanto que as vendas norte-americanas triplicaram nas últimas três semanas de maio.

“A queda de 2,9% no volume exportado pode sinalizar que não vamos ter os mesmos números de 2020. Também nota-se que, desde o ano passado, o número de ofertas de boi gordo à indústria vem diminuindo. Vários frigoríficos têm feito força para preencher as escalas de abate, um dos motivos que têm ajudado a segurar o valor da arroba bovina.

O volume menor de boi terminado provoca quedas nos embarques. Consequentemente, menos produto no mercado brasileiro e proteína mais cara no varejo interno. O reflexo disso é menos bife no prato do brasileiro. Hoje, já temos uma queda significativa de consumo de proteína bovina”, analisa Sérgio Ribas Moreira, Diretor do Serviço Brasileiro de Certificações (SBC). O executivo salienta que todas essas questões mexem com o mercado e reforçam a previsão de um 2021 com números reais menores em produção e exportação.

Nos cinco primeiros meses deste ano, a China se manteve como o principal destino das exportações de carne brasileira, com 317,08 mil toneladas, elevação de 10,4% em relação aos cinco primeiros meses do ano passado. O volume embarcado para os Estados Unidos também cresceu no período e ficou em 33,8 mil toneladas, alta de 165,6%, enquanto o faturamento aumentou 149%, com US$ 250,7 milhões.

Outros países de destaque no período foram Filipinas e Chile. Porém, a presença positiva que mais animou os agentes da cadeia produtiva para o segundo semestre foi a União Europeia, que importou 4,47 mil toneladas em maio, um crescimento de 15,1% no volume e de 21,7% no faturamento.

“O mercado europeu realmente teve uma certa recuperação. O Brasil vem retomando aos poucos suas vendas para o bloco. Espero que tudo se normalize naquele continente. Com o avanço da vacinação, provavelmente o consumo em bares, restaurantes e lanchonetes voltará a aquecer. Diante disso, há boas chances de nossas exportações recuperarem os volumes comercializados com os europeus na pré-pandemia. E o fato tem ligação direta com a Certificação SISBOV (‘passaporte’ para exportar carne aos países europeus). Confiamos e esperamos por um segundo semestre bastante favorável. Certamente, os frigoríficos vão fomentar a certificação Europa, pois precisarão de mercadoria para atender a essa demanda. Assim como para atender aos contratos para a Cota Hilton. Essas são as expectativas para o SBC. Cenário promissor para a Europa e, de maneira geral, uma pequena redução na oferta de carne ao mercado”, finaliza Sérgio Ribas.


Queimada   crime nativa newsBanner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
[email protected]

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
vers�o Normal Vers�o Normal Painel Administrativo Painel Administrativo