Política

08/07/2021 18:13

Medeiros aciona PGR e Senado para afastar presidente da CPI da Covid

O deputado federal José Medeiros (Podemos) protocolou uma representação na Procuradoria Geral da República (PGR), nesta quinta-feira (8), solicitando que o órgão peça o afastamento do presidente da Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) da Pandemia (Covid-19), senador Omar Aziz (PSD-AM). O pedido de afastamento também foi encaminhado para o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

No documento encaminhado à PGR, Medeiros pede ao procurador-geral, Augusto Aras, que investigue o senador Omar Aziz por crime de abuso de autoridade, ao determinar a prisão do ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias. O pedido de prisão ocorreu durante a sessão da CPI, na quarta-feira (7). “Afastá-lo é uma medida a ser tomada pelo Brasil, e investigá-lo é medida a ser tomada pelo bem das leis brasileiras que foram destruídas por esse senhor em rede nacional”, argumenta Medeiros.

O parlamentar afirma que o presidente da CPI não apresentou argumento plausível para determinar a prisão do ex-diretor do Ministério da Saúde, que estava prestando depoimento na CPI na condição de testemunha e não de investigado.  “Não bastasse mandar prender alguém por crime inexistente, o senador não deu qualquer argumento plausível para medida quando questionado por colegas na CPI. Alegou que o senhor Roberto Diaz estava mentindo em seu depoimento e fazendo chacota da CPI. E, diante disso, simplesmente mandou prender, ameaçou futuros depoentes do mesmo destino e encerrou a sessão. Toda a condução do depoimento foi feita como se ele estivesse na condição de investigado e não de testemunha”, frisa Medeiros em trecho do documento.

Além de criticar o uso político da CPI da Pandemia, Medeiros lamenta o tratamento dado às testemunhas, que vêm sendo inquiridas como investigadas. “Ademais, em que pese a CPI ter poderes de autoridade investigativa, a decretação de medida como prisão por crime de falso testemunho só é permitida em flagrante delito, justamente por ser uma medida gravosa e consistir em um poder de exceção concedido ao Presidente da CPI. Não se pode mandar prender uma testemunha porque o presidente acha que ela mentiu ou pior, por não responder o que ele pretendia ouvir. Não há nenhuma prova durante o depoimento de que o Senhor Roberto Diaz estivesse mentindo para ter prisão em flagrante decretada. Somente uma investigação aprofundada e isenta, o que não tem sido a toada desta comissão, poderia demonstrar se realmente ocorreu o crime de falso testemunho”.

Em ofício encaminhado ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, o deputado José Medeiros classifica a postura do presidente da CPI como “autoritária” e “digna de coronéis da velha república”.  “Dizendo decretar a prisão em nome do Brasil, o senador da República destruiu, em rede nacional, as leis brasileiras e envergonhou o parlamento. Isso porque decretou a prisão com base em um crime inexistente no Brasil, citando o crime de perjúrio”.

Além de pedir o afastamento de Omar Aziz, o parlamentar solicita que o caso seja encaminhado ao Conselho de Ética da Casa, pois a atitude do senador "envergonha'' o Parlamento Brasileiro e demonstra parcialidade no comando da comissão parlamentar de inquérito. “A atuação do senador ontem envergonhou todo o parlamento brasileiro, pois ficou estampado o seu despreparo técnico e emocional para liderar os trabalhos, bem como escancarou sua falta de imparcialidade na condução”, afirma Medeiros. 


Queimada   crime nativa newsBanner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
[email protected]

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
vers�o Normal Vers�o Normal Painel Administrativo Painel Administrativo